Sarmento, Francisco Martins (Dr.)

Arqueólogo e etnólogo notabilíssimo nascido em Guimarães a 9 de Março de 1833. Filho de Francisco Joaquim de Gouveia Morais Sarmento e de D. Joaquina Cândida de Araújo Martins. Formou-se em Direito pela Univ. de Coimbra. Iniciou a exploração científica da Citânia de Briteiros em 1875, executando ali escavações até 1884. Em 1876 começou a exploração do Castro de Sabroso. Em 1882 fundou-se, em sua honra, a Sociedade Martins Sarmento, e em 1885 criou-se o Museu desta colectividade, que contém o produto do grande labor arqueológico de Martins Sarmento. O notável investigador legou à Sociedade, da qual é o Patrono insigne, todas as suas colecções, a sua biblioteca erudita, a casa onde habitou, rendimentos e propriedades várias, e encarregou-a da conservação da importantíssima estação arqueológica da Citânia de Briteiros. A sua obra erudita consta dos volumes «Ora Maritima» (1.ª ed.1880, 2.ª ed. 1896) e Os Argonautas (1887), de alguns opúsculos, e de cerca de oitenta artigos científicos, publicados em diversas revistas e jornais, reunidos, por iniciativa da Sociedade, em colectânea editada pela Imprensa da Universidade de Coimbra; finalmente, de numerosos manuscritos inéditos. Era sócio de várias agremiações culturais e científicas. Possuía a Legião de Honra e várias condecorações estrangeiras e nacionais. Faleceu em Guimarães, a 9 de Agosto de 1899. Em 1933, a Sociedade Martins Sarmento comemorou o Centenário do seu nascimento e, subsidiada pela Câmara Municipal de Guimarães, erigiu um monumento em sua memória.

Obras:
  • Poesias. Porto, 1855. 1 vol.
  • Observações à Citania. Porto, 1879. 1 folh.
  • Les Lusitaniens. Lisboa, 1880. 1 folh.
  • Ora Marítima. Porto, 1880. (1.ª edição). 1 vol.
  • Os Lusitanos. Porto, 1880. 1 folh.
  • Os Argonautas. Porto, 1887. 1 vol.
  • Lusitanos, Ligures e Celtas. Porto, 1891- 93. 1 vol.
  • Ora Marítima. Porto, 1896. (2.ª edição). 1 vol.
  • Citânia (Explicação das photographias). 1 folh.
  • Dispersos. Coimbra, 1933. 1 vol.
  • Correspondência epistolar com Emílio Hübner. Guimarães, 1947.
  • Manuscritos inéditos.
  topovoltar