Forno dos Mouros

Protecção: Imóvel de interesse público, classificado por proposta do Coronel Mário Cardozo. Dec. nº 38 147, DG 4 de 5 Janeiro 1951.

Descrição: O monumento apresenta a configuarção característica dos balneários castrejos, sendo composto pelo átrio, pela antecâmara, por uma câmara e pelo forno que lhe dá o nome. O átrio, a antecâmara e a câmara são de Planta rectangular. No átrio observam-se vestígios de piso com lajeado irregular. A antecâmara encontra-se bastante arruinada; paredes laterais da câmara são construídas em alvenaria composta por pequenas pedras bem aparelhadas com troços em fiadas horizontais, denunciando reconstrução. O forno tem uma forma semicircular, desenvolvendo-se em falsa cúpula até uma altura que ultrapassava os 2 metros, comunicando com a câmara por uma passagem com 1,15 metros de largura. O terreno onde o monumento está implatado e que é propriedade da SMS tem a forma trapezoidal, com as seguintes dimensões: norte, 7,95 metros; sul, 12 metros; este, 15,60 metros; oeste, 15,60 metros.

Utilização: Balneário

Cronologia: Construção dos primeiros tempos da romanização (séc. 1 d.C.) .

Observações:
Nos seus apontamentos de arqueologia, Martins Sarmento escreveu a propósito destas ruínas: "Vê-se a importância deste monumento que tem seu pendant no de Sabroso, e há-de tê-lo noutros, e são decerto a origem das famosas fontes de mouros, etc.". Duas pedras esculpidas que foram recolhidas por F. Martins Sarmento e que se encontram no Museu da Sociedade Martins Sarmento em Guimarães, poderiam fazer parte de uma caleira bífida por onde caía a água no tanque que se localizaria no lado esquerdo do átrio. Adquirido em 1898.

Bibliografia:
SARMENTO, F. M., Antiqua - Apontamentos de Arqueologia, Guimarães, 1999, pp. 56-58 e 204-205; SARMENTO, F. M., Os Inéditos de Martins Sarmento, Revista de Guimarães, 80 (1-2), Guimarães, 1970, pp. 58 - 62; CARDOZO, Mário, Monumentos Arqueológicos da Sociedade Martins Sarmento, Revista de Guimarães n.º 61, Guimarães, 1951, pp. 5-28; CARDOZO, M., Catálogo do Museu Martins Sarmento, 1ª parte: Secção lapidar e de escultura, Guimarães, 1985; SILVA, Armando Coelho Ferreira da Silva, A Cultura Castreja no Noroeste de Portugal, Paços de Ferreira, 1986, p. 56 e Est. XXXVII).
Documentos:


  • Título de aquisição do «Forno dos Mouros», situado no Monte da Saia, em Barcelos, de 14 de Junho de 1898.

  • SARMENTO, F. M., Antiqua - Apontamentos de Arqueologia, Guimarães, 1999, pp. 56-58.

  • SARMENTO, F. M., Antiqua - Apontamentos de Arqueologia, Guimarães, 1999, pp. 204-205.

  • CARDOZO, Mário, Monumentos Arqueológicos da Sociedade Martins Sarmento, Revista de Guimarães n.º 61, Guimarães, 1951, pp. 5-28.

   1
Forno dos Mouros, desenho de Martins Sarmento.

   2 Forno dos Mouros, desenho de Martins Sarmento.

   3
Forno dos Mouros, desenho de Martins Sarmento.

   4 Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   5
Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   6 Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   7
Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   8 Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   9
Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   10 Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   11
Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   12 Forno dos Mouros - Monte Saia - Barcelos

   13
Pedras esculpidas procedentes do Fornos dos Mouros.
 

 

  topovoltar