Bens da Sociedade Martins Sarmento, em 1956

PROPRIEDADES MÓVEIS DA SOCIEDADE MARTINS SARMENTO

Constituídas:
A) Por todo o mobiliário constante do respectivo inventário de 31-12-1945.

B) Por todos os objectos arqueológicos e artísticos constantes dos respectivos Catálogos, que se encontram expostos ao público no Museu de “Martins Sarmento”, instalado na sede da Sociedade, distribuídos em cinco secções:

1.ª Secção— Epigrafia e Escultura antiga.
2.ª Secção — Indústrias pré- e proto-históricas.
3.ª Secção — Numismática, Esfragística e Medalhística.
4.ª Secção — Etnografia moderna.
5.ª Secção— Arte moderna e contemporânea.

C) Por todos os livros da Biblioteca Pública constantes do respectivo Catálogo, dividida em:

Biblioteca Geral.
Biblioteca erudita doada por Martins Sarmento.
Secção de Reservados:
a) — Manuscritos.
b) —Cimélios e obras raras.

D) Pela Colecção de Estampas constantes do respectivo Catálogo.

E) Pelos seguintes objectos em cofre pertencentes ao Museu e à Biblioteca:

32 moedas de ouro, descritas no inventário publicado no Volume 49.º da “Revista de Guimarães”, páginas 188 e seguintes.
28 moedas de prata árabes, dos séculos IX e X.
O chamado “Tesouro de Gondeiro” (Amarante), constituído por jóias de ouro, arcaicas, sendo dois braceletes e dois ornatos helicoidais, citado na “Revista de Guimarães”, Volume 49.º, pág. 197.
Um par de arrecadas de ouro, arcaicas, encontradas na Citânia de Briteiros, descritas na “Revista de Guimarães”, Volume 48.º, pág. 35 e seguintes.
Uma medalha de ouro, executada pelo Gravador Molarinho, comemorativa do Tricentenário de Camões, inventariada na “Revista de Guimarães”, Volume 50.º, pág. 128.
Duas pequenas medalhas de ouro e esmalte, uma de carácter religioso e outra de D. Miguel, citadas na “Revista de Guimarães”, Volume 50.º, pág. 128.
5 turmalinas lapidadas, sendo 2 brancas, 1 verde, 1 lilás e 1 amarela.
1 diamante por lapidar.
3 cruzes da Ordem de Cristo com pedras finas (diamantes e minas novas) .

Um exemplar de Os Lusíadas (1.ª edição, de 1572).
F) Pelos seguintes títulos em cofre:

1. Um Título da Junta do Crédito Público — Dívida Pública Portuguesa—Consolidado de 3% — 1942. Certificado de Dívida Inscrita n.º 1623, correspondente aos títulos de 10 obrigações n.ºs 191.082 a 191.090. Valor 90.000$00 esc.
2. Um Título n.º 992 da Junta do Crédito Público — República Portuguesa — Certificado de Renda Perpétua.

3. Dois Títulos da Junta do Crédito Público — Dívida Pública Portuguesa — Consolidado de 3 % — 1942, com os n. os 2.297.938 e 2.297.939. Valor de cada título, 1.000$00 esc.
4. Dois Títulos da Junta do Crédito Público — Dívida Pública Portuguesa—Consolidado de 2 ¾ por cento — 1943, com os n. os 024.733 e 024.793. Valor de cada título, 1.000$00 esc.
5. Promissórias no Banco Nacional Ultramarino (Depósitos a prazo):
Uma de 3.000$00
Uma de 2.000$00
Uma de 1.000$00
Uma de 550$00
Uma de 100$00
Estas promissórias garantem os prémios pecuniários a escolares, estabelecidos pelos seguintes beneméritos desta Sociedade: — Francisco dos Santos Guimarães, Simão da Costa Guimarães, Dr. Avelino da Silva Guimarães, Joaquim de Almeida Guimarães e Sociedade de Defesa e Propaganda de Guimarães. (Vide págs. 72 e 73).
NOTA:
Os dois títulos, de que conste o n.º 3 supra, do “Consolidado de 3,1, 1942” substituíram, por força do Decreto-lei n.º 33.536, de 21 de Fevereiro de 1944, outros dois títulos de £ 10, do empréstimo interno de 1923, consolidado denominado “6 ½ por % (ouro)”, que e Sociedade possuía (Vide Revista de Guimarães, vol. XLI, 1931. p. 111).

RELAÇÃO DOS BENS IMÓVEIS DA SOCIEDADE MARTINS SARMENTO

Casa de habitação que pertenceu ao Dr. Francisco Martins Sarmento, sita no Largo de Martins Sarmento, em Guimarães. É o prédio n.º 106 da matriz predial, inscrito no art.º 161 da caderneta predial urbana, da freguesia da Oliveira. Actualmente ocupado pela Câmara Municipal de Guimarães, por empréstimo da Sociedade nos termos da alínea b) do n.º 10.º do Contrato em vigor, de 7 de Março de 1934 entre a mesma Câmara e a Sociedade. Foi legada à Sociedade por Martins Sarmento.

Edifício da sede da Sociedade, sito na rua de Paio Galvão. É o prédio inscrito no art.º 188 da caderneta predial urbana, da freguesia de S. Paio, constituído em parte por dependências do extinto Convento de S. Domingos, que pelo Estado foram cedidas à Sociedade, conforme Carta de Lei de 3 de Abril de 1888 e Decreto de 12 de Junho do mesmo ano. (Vide págs. 91 e 93) .
Três moradas de casas, no Largo da República do Brasil, freguesia de 5. Sebastião, em Guimarães, que a Sociedade possui em comum com a Associação Artística Vimaranense, Bombeiros Voluntários, Asilo da Mendicidade e Asilo de Santa Estefânia. Têm os números 307, 308 e 309 na caderneta predial urbana. Foram legados por Francisco Jácome.

Casa de habitação do guarda da Citânia, no Monte de 5. Romão, freguesia de S. Salvador de Briteiros. Prédio construído pela Sociedade com a comparticipação do Estado, e entregue à Sociedade em 3 de Dezembro de 1934, por despacho do Ministério das Obras Públicas e Comunicações.

A Casa e Quinta da Ponte, na freguesia de 5. Salvador de Briteiros. E constituída pelos prédios inscritos na matriz rústica nos artigos: 93 a 108, 111 a 113, 118, 698 e 742; e urbana sob o n.º 122. Foi legada à Sociedade pela falecida Esposa de Martins Sarmento D. Maria de Freitas Aguiar Martins Sarmento.

A Quinta da Cavada, sita na freguesia de S. Salvador de Briteiros, e inscrita na matriz predial rústica sob os artigos 680 a 686, 688 a 691, 697 e Urbana sob o n.º l35. Foi legada à Sociedade por testamento de D. Maria de Freitas Aguiar Martins Sarmento.

Quinta do Carvalho, na freguesia de S. Salvador de Briteiros, constituída pelos prédios inscritos na matriz predial rústica sob os números 119, l24, 153, 155, 157, 447 a 449, 465 a 470, 514 a 516, 905, 911, 916. E urbana n.º 152. na freguesia de Santa Leocádia de Briteiros o prédio rústico n.º 37 da matriz; na freguesia de Donim o n.º 1139. Foi legada à Sociedade por testamento de Francisco Martins Sarmento.

Toda a receita e despesa destas propriedades da Sociedade Martins Sermento é anualmente publicada na “Revista de Guimarães”, nos termos do n.º 3.º e seu § único do art.º 17.º dos Estatutos. A renda das propriedades rústicas a estabelecida e dinheiro nos termos do n.º l.º e seu § único do art.º 30.º dos mesmos Estatutos.

PROPRIEDADES ARQUEOLÓGICAS IMÓVEIS DA SOCIEDADE MARTINS SARMENTO

Mamoa de Donai, situada num dos extremos do Lameiro da Devesa, freguesia de Donai, Concelho de Bragança. Adquirida em 1891. (Vide Mário Cardozo, Monumentos Arqueológicos da Sociedade Martins Sarmento, Guimarães, 1950, p. 40, 138 e 151) . Foi considerada “imóvel de interesse público” por Decr. n.º 38.147, de 5 de Janeiro de 1951. (Vide “Diário do Governo” n.º 4, 1.ª série, de 5-1-1951).

Dólmen de Pera do Moço, situado no lugar da Anta, freguesia de Pera do Moço, Concelho da Guarda. Adquirido em 1892. (Vide Mário Cardozo, op. cit., p. 45, 137 e 153). Foi considerado “imóvel de interesse público” por Decreto n.º 39.175, de 17 de Abril de 1953. (Vide “Diário do Governo” n.º 77, l.ª série, de 17-4-1953) .

Gruta pré-histórica das Coriscadas e Penedo de Cuba, situado na Bouça da Poça do Monte, lugar das Coriscadas, freguesia de Soalhães, Concelho de Marco de Canaveses. Adquirido em 1894. (Vide Mário Cardozo, op. cit., pág. 76, 138 e 163). Foi considerado “imóvel de interesse público” por Decr. 38.147, acima citado.

Forno dos Mouros, monumento situado no Monte da Saia, fraguesia das Carvalhas, Concelho de Barcelos. Adquirido em 1898. (Vide Mário Cardozo, Op. cit., p. 86, 138 e 165). Foi considerado “imóvel de interesse público” pelo Decreto n.º 38.147, acima citado.

Laje dos Sinais, penedo com gravuras situado no lugar das Lajes, Monte da Saia, Concelho de Barcelos. (Vide Mário Cardozo, Op. cit., pág. 86, 139 e 165). Adquirida em 1898. Foi considerada “imóvel de interesse público” pelo Decreto 38.147 acima citado.

Mamoa, na Bouça da Agrela ou da Gândara, freguesia do Salvador de Briteiros, Concelho de Guimarães Adquirida em 1894. (Vide Mário Cardozo, Op. cit., p. 50 e 158).

Mamoa, situada na Bouça Nova, entre as freguesias de Caldelas (Taipas) e de S. Cláudio do Barco, Concelho de Guimarães. Adquirida em 1892. (Vide Mário Cardozo, Op. cit., pág. 48 e 156).

Penedo com círculos concêntricos situado na Bouça do Silvestre ou do Pinheiro, freguesia do Salvador de Briteiros. Adquirido em. 1894. (Vide Mário Cardozo, Op. cit., pág. 73 e 162) .

Penedo com fossettes situado na freguesia do Salvador de Briteiros, junto à valeta da estrada que liga esta freguesia à de Santa Leocádia de Briteiros. Comprado a Manuel da Silva Guimarães. (Vide Mário Cardozo, Op. cit., pág. 75) .

FOROS QUE A SOCIEDADE MARTINS SARMENTO RECEBE

1. O foro anual de 97,090 litros, correspondentes a 5 alqueires da antiga medida, unia galinha um frango, um frangão ou 2 centavos por ele, 12 ovos e 6 centavos em dinheiro, com laudémio da 3.ª parte, que são obrigados a pagar, Miguel Soares de Vasconcelos e Esposa (actualmente D. Maria Laura de Barros Soares de Vasconcelos) da freguesia de S. Vicente de Sousa, comarca de Felgueiras pelo prazo denominado Casal do Cabo, situado na freguesia de S. Martinho de Armil, da comarca de Fafe, e descrito na Conservatória sob o n.º 3197 do livro — B 12.
É valor deste foro cinco mil escudos.

2. O foro anual de 19,418 litros de centeio, correspondentes a um alqueire da antiga medida, e um frango, que são Obrigados a pagar José Alves e mulher (actualmente Serafim Alves, de S.ta Leocádia de Briteiros) do lugar de Paço, da freguesia de S.ta Leocádia de Briteiros desta comarca, por uma parte do Campo da Tapada, que é Pertença da propriedade de Aredes, situada no lugar deste nome, da mesma freguesia descrita na Conservatória sob o n.º 29433 do livro B 82.
É valor do foro trezentos escudos.

3. O foro anual de l9,418 litros de centeio, correspondentes a um alqueire da antiga medida, que é obrigada a pagar Ana Gonçalves (actualmente Maria Gomes de Lima, de S.ta Leocádia de Briteiros) do lugar de Aredes, freguesia de S.ta Leocádia de Briteiros desta comarca por uma propriedade situada no mesmo lugar e freguesia e descrita na Conservatória sob o n.º 11814 do livro — 8 37.
É valor deste foro trezentos escudos.

4. O foro anual sub-enfitêutico de 19,418 litros de milho, correspondentes a uni alqueire da antiga medida, que é obrigado a pagar Manuel Joaquim Marques pelo campo do Rabinhoso, situado na freguesia de S. Salvador de Souto desta comarca, e descrito na Conservatória sob O n.º 19539 do livro — B 57.
E valor deste foro duzentos e noventa escudos.

5. O foro anual sub-enfitêutico de 10 centavos que é obrigado a pagar Joaquim da Silva Ribeiro (actualmente João Fernandes de Macedo, do Escalheiral, S. Salvador de Briteiros) imposto no campo e bouça de Agrela ou do Escalheiral, situado na freguesia de S. Salvador de Briteiros, desta comarca, e descrito na Conservatória sob o n.º 13794 do livro — B 42.
É valor deste foro vinte escudos.

6. O foro anual sub-enfitêutico de 20 centavos em dinheiro, que é obrigado a pagar António da Silva (actualmente José Rodrigues, de S. Salvador de Briteiros), do lugar do Adro, da freguesia de 5. Salvador de Briteiros, desta comarca, imposto numa propriedade situada no lugar do Portelo do Lobo, da mesma freguesia e que foi construída no terreno descrito na Conservatória sob o n.º 27759 do livro — B 48.
É valor deste foro quarenta escudos.

7. O foro anual de 40 centavos em dinheiro, que é obrigado a pagar Francisco Santos de Oliveira, do lugar das Eiras, freguesia de S. Salvador de Briteiros, desta comarca, imposto em um pedaço de terreno que foi desmembrado do Casal do Carvalho, sito na dita freguesia.

FOROS QUE A SOCIEDADE PAGA

1. Foro anual imposto na Quinta da Ponte, freguesia de S. Salvador de Briteiros, pago pela Sociedade Martins Sarmento aos herdeiros de Costa e Silva, das Caldas das Taipas, o qual consta dos seguintes géneros, convertidos em dinheiro pela correspondente estiva camarária:
30 quilos de marrã.
13 alqueires de centeio.
13 alqueires de milho alvo.

2. Foro anual imposto no prédio de habitação que pertenceu ao Dr. Francisco Martins, Sarmento, no Largo de Martins Sarmento e por este legado à Sociedade.
É pago aos herdeiros de Luís Cardoso Martins de Meneses Macedo (Margaride) na importância de 250$00 escudos.

  topovoltar