1
União da muralha primitiva (séculos IV-III) com a muralha do 2.º período (séculos II-I), vista do lado exterior.

   2
Ligação de uma muralha suplementar (à esquerda) à muralha primitiva.

   3
Pormenor da união da muralha primitiva (séculos IV-III) com a muralha do 2.º período (séculos II-I), vista do lado exterior.

   4
União da muralha primitiva (séculos IV-III), que rodeava apenas o alto da colina, com a muralha do 2.º período (séculos II-I), que circundou toda a encosta sul. No primeiro plano, o local da pesquisa efectuada pela brigada inglesa..

   5
O Coronel Mário no interior da trincheira aberta no lado interior junto à muralha voltada a nascente.

   6
Aspecto da trincheira em forma de T, de dois metros de altura, aberta no lado interior junto à muralha voltada a nascente.

   7
Aspecto da trincheira em forma de T, de dois metros de altura, aberta no lado interior junto à muralha voltada a nascente. No corte praticado no terreno distingue-se bem a sobreposição de diversos estratos de terra vegetal e saibro.

   8
Aspecto da trincheira aberta no lado interior junto à muralha voltada a nascente.

   9
O ângulo saliente da muralha, à esquerda, parece marcar o cunhal duma antiga porta, depois tapada. A fiada de pedras em frente à muralha seria talvez uma cortina defensiva dessa entrada.

   10
Muralha e, em primeiro plano, fiada de pedras que serviriam de protecção à entrada do lado nordeste.

 

  topovoltar