Inscrição sepulcral

Descrição

Da parede da residência paroquial de Vila Fria (Felgueiras). Oferecida pelo Abade Augusto Lopes Barbosa. Numa lápide de Mérida (Corpus Inscriptionum Latinarum, II, Grande Suplemento, n.º 5261), é também mencionado um «lanciense transcudano», i. é., do oppidum de Lancia de Além-Côa (rio Cuda; cf. Religiões da Lusitânia, de J. L. vasconcelos, II, p. 33), povoação não localizada ainda. E na inscrição da Ponte de Alcântara, sobre o Tejo (Espanha), construída no tempo de Trajano (106 p. C), na via de Cáceres a Coimbra, os lancienses transcudani figuram na relação dos municípios da Lusitânia que contribuíram para a construção da referida ponte (Corpus Inscriptionum Latinarum, II, p. 760).
Interpretação: Aqui jaz (...?...), lanciense transcudano. Brácaro erigiu.
Leitura: . . . .lancie/nsis tr/a(ns)quda/nus, h(i) s(itus) / e(st), Brac/arus p(osuit)

É parte de

Epigrafia

Formato

Dimensões: da lápide: 0,71x0,39x0,15.
Altura das letras: 0,07.

Abrangência espacial

Proveniente de Vila Fria, Felgueiras.
Encontra-se atualmente exposta no Museu Arqueológico da SMS.

Identificador

47

Referências

Ephemeris Epigraphica, VIII, p. 400, n.º 112; Revista de Guimarães, XI, p. 78 e XVIII, p. 10 e 62.