Planta de Guimarães de 1569  
     
 

Já está disponível a edição da planta de Guimarães, a mais antiga representação daquela cidade conhecida, datada de 1569.

A planta de Guimarães é, de todas as plantas da velha vila de Guimarães conhecidas, a primeira e a mais rigorosa. Datada, no respectivo inventário, de cerca de 1569, está traçada com assinalável rigor, acrescentando alguns contributos importantes para uma melhor compreensão do perfil urbano da cidade no passado e da sua evolução ao longo do tempo, introduzindo novos e relevantes elementos para o conhecimento da configuração da antiga Guimarães. Esta edição é uma reprodução fiel do original que actualmente se encontra na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

A sua existência havia sido referida pelo Prof. Mário Gonçalves Fernandes, no último Congresso Histórico de Guimarães.

A planta, impressa no formato original, está disponível na Livraria da Sociedade Martins Sarmento, pelo preço de 25 euros, podendo ser encomendado pelo email sms@mail.telepac.pt.

 
 
Sherlock Holmes no Porto  
     
 

Depois de Uma Excursão ao Soajo em 1882, de Francisco Martins Sarmento e José Leite de Vasconcelos, a colecção de minimis - a edição de bolso da Sociedade Martins Sarmento - edita o seu segundo número: Sherlock Holmes no Porto. Da autoria de um tal de Donan Coyle, pseudónimo do ilustre vimaranense João de Meira, Sherlock Holmes no Porto, escrito em 1912, mostra-nos Holmes e Watson em acção no eléctrico em Paranhos, na Faculdade de Medicina e em vários cenários de um Porto londrino a desvendar o mistério de O Cadáver que se evade e O "Truc" de Mr. Raymond, as duas histórias que compõem esta série.

A colecção de minimis é dedicada a textos marginais, obras imperfeitas, peças acidentais e outros objectos avulsos de reduzidas dimensões, recolhidos nos salvados de autores consagrados, esquecidos e imprevistos. A colecção tem uma tiragem de 300 exemplares numerados, dos quais 250 são postos à venda.

O livro encontra-se à venda na Livraria da Sociedade Martins Sarmento, pelo preço de 5 Euros e pode ser encomendado pelo email sms@mail.telepac.pt.

 
 
Revista de Guimarães  
     
 

Já se encontra disponível o volume 115/116 da Revista de Guimarães. Com nota de apresentação do Director, Agostinho Ferreira, a edição inclui os seguintes artigos:

- Trabalhos Arqueológicos na Citânia de Briteiros Campanhas de 2005 e 2006, de Francisco Sande Lemos e Gonçalo Passos Correia da Cruz.

- A arte rupestre da Citânia de Briteiros - o penedo dos sinais, um caso atlântico, de Joana Valdez e Lucínia Oliveira.

- Duas ombreiras decoradas "castrejas" oriundas do alto do castelo (Salto, Montalegre). Influências mediterrânicas e complexificação social na segunda idade do ferro do noroeste peninsular, por João Mário Martins da Fonte Alfredo González-Ruibal.

- Património e Educação Histórica: contributos para a prática da cidadania numa sociedade aberta - Um estudo no centro histórico de Guimarães, de Helena Pinto.

- A construção da rede escolar: o ensino elementar no concelho de Guimarães durante o século XIX, de Ana Tereza Braga Tavares de Araújo.

- Um breve apontamento inédito sobre a localização da Batalha de S. Mamede, de Filipe Alves Moreira.

- Migrações, Nupcialidade e Transição da Fecundidade. Estudo de caso no Bonfim, paróquia da cidade do Porto, por Rui Leandro Maia.

- Dois inventários seiscentistas da Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira de Guimarães por António José de Oliveira.

A Revista de Guimarães pode ser adquirida na Loja do Museu da Sociedade Martins Sarmento ou através do email sms@mail.telepac.pt.